Fechar

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro



Juízes participam do curso “Recuperação Judicial de Empresas”


clique nas imagens para ampliar

Nesta sexta-feira (26), 28 juízes iniciaram o curso “ Recuperação Judicial de Empresas”, coordenado pelo desembargador Luiz Roberto Ayoub.

No primeiro dia, as aulas foram ministradas pelos professores juiz Paulo Assed; juíza Maria de Cristina Brito; Juliana Bumachar, presidente da Comissão Especial de Falências e Recuperação Judicial do Conselho Federal da OAB e pelo desembargador do TJSP Manoel Justino Bezerra Filho. Os temas tratados foram “Estruturas Econômicas e Organizacionais”, “Verificação de Créditos na Recuperação Judicial” e “Postulação da Recuperação Judicial de Empresas”.

Na próxima segunda-feira (28), os alunos terão aulas com Pedro Freitas, presidente da Comissão de Direito Empresarial da OAB; Otto Lobo, vice-presidente do Comitê de Legislação e Política e com os professores Juan Vazquez e Márcio Guimarães. Eles abordarão assuntos como “ O Papel do Administrador Judicial”, “Atuação do Ministério Público na Recuperação Judicial de Empresas”, “Cumprimento e Encerramento da Recuperação Judicial” e “Plano de Recuperação Judicial”.

O professor Manoel Bezerra Filho, desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), falou da importância de o juiz se atualizar em relação à Lei 11.101/05: “Houve uma mudança muito grande com relação à lei anterior. Toda lei nova tem suas lacunas e essas lacunas estão sendo consertadas exatamente pelo juiz de primeira instância. Daí a importância desse curso de aperfeiçoamento”.

O desembargador Ayoub acrescenta que essa lei não está apenas no campo do Direito: “É uma lei econômica e interdisciplinar. Hoje, em razão da crise, a lei é muito útil, porque pretende manter viva a empresa que passa por dificuldade”.

Serão 20 horas de aulas expositivas dialogadas com a utilização de técnicas de metodologia ativa. Após o curso, os magistrados estarão qualificados a avaliar o alcance do impacto da Lei 11.101/05 sobre a prestação jurisdicional, a sistematizar as características dos diferentes tipos de crédito empresariais, a verificar e validar o papel do Ministério Público como órgão fiscalizador no caso de recuperação judicial de empresas e a estabelecer as razões que levam à decisão de deferimento ou indeferimento da postulação de recuperação de empresa.


26 de julho de 2019

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da EMERJ


1 |  2 |  3 |  4 |  5 |  6 |  7 |  8 |  7 |  8 |  9 |  10 |  11 |  12 |  13 |  14 |  15 |  16 |  17 |  18 |  19 |  20 |  21 |  22 |  23 |  24 |  25 |  26 |  27 |  28 |  29 |  30 |  31 |  32 |  33 |  34 |  35 |  36 |  37 |  38 |  39 |  40 |  41 |  42 |  43 |  44 |  45 |  46 |  47 |  48 |  49 |  50 |  51 |  52 |  53 |  54 |  55 |  56 |  57 |  58 |  59 |  60 |  61 |  62 |  63 |  64 |  65 |  66 |  67 |  68 |  69 |  70 |  71 |  72 |  73 |  74 |  75 |  76 |  77 |  78 |  79 |  80 |  81


voltar