Em encontro do Fórum Permanente de Práticas Restaurativas e Mediação, especialista
em ciências criminais discute o encarceramento e a Justiça Restaurativa

clique na imagem para ampliar

O especialista em ciências criminais pela PUC-RS e membro da Comissão Especial de Mediação e Práticas Restaurativas da OAB-RS, Daniel Achutti, esteve nesta sexta-feira (27) na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ) para debater o tema “Direito Penal e Justiça Restaurativa: O Futuro da Pena e da Punição no Brasil” na 45ª reunião do Fórum Permanente de Práticas Restaurativas e Mediação da EMERJ. O encontro foi presidido pelo juiz André Felipe Tredinnick, que, ao abrir o evento, falou o quanto é importante ouvir outras formas de pensar em relação ao encarceramento.

O palestrante Daniel Achutti acredita que no país o futuro da punição é duvidoso e declarou: “ O presente é uma catástrofe, e a impressão que eu tenho é que cada vez mais existe a consciência de que condenar pessoas é uma coisa saudável. Ainda estamos num período em que as pessoas acreditam na punição”.

Segundo Daniel Achutti, cada vez mais se prende pessoas no Brasil. Ele destaca o país como sendo o terceiro que mais encarcera pessoas no mundo e o que prende com maior velocidade. Daniel faz um paralelo entre o encarceramento e a questão da segurança pública, que, em suas palavras, deveriam ter tornado as cidades do Rio de Janeiro e de Porto Alegre duas das mais seguras do país, tendo em vista o alto índice de aprisionamento penal nas cidades em questão.

Para Achutti, o crime é uma construção humana que pode ser desconstruída: “Não podemos nos limitar à punição penal; devemos pensar em outras formas capazes de solucionar os fatos considerados criminosos, pois um problema pode ser solucionado de várias maneiras, porém a Lei Penal acredita que não”.

“A justiça restaurativa não é uma justiça branda. Existe o princípio da voluntariedade de ambas as partes. A justiça restaurativa é construída de forma coletiva, enquanto a justiça criminal é imposta de forma unilateral e sua única saída é a prisão. Já na restaurativa, existem várias possibilidades em que as partes envolvidas decidem, e não faz sentido o aprisionamento, e sim, quais responsabilidades serão adotadas para restabelecer os danos causados”, declarou Daniel Achutti.

27 de abril de 2018

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da EMERJ.



MAGISTRADOS

Informações sobre Cursos Oficiais de Formação e Aperfeiçoamento.

VIRTUAL EMERJ

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Cursos Oferecidos na Modalidade a Distância.

PORTAL ACADÊMICO

Espaço destinado aos alunos e professores do Curso de Especialização em Direito Público e Privado.

EVENTOS EMERJ

Fóruns, seminários e ciclo de palestras destinadas ao público em geral.

PUBLICAÇÕES

Coletânea de Artigos Jurídicos de Diferentes Áreas do Direito.

VÍDEO INSTITUCIONAL

 Seja Bem-Vindo à EMERJ.

INFORMATIVO

Divulgação de eventos, cursos e notícias.

EVENTOS GRAVADOS

Gravação de cursos, seminários e ciclo de palestras realizados pela EMERJ.

EVENTOS EXTERNOS

Divulgação de eventos da área jurídica de outras instituições.

LANÇAMENTO DE LIVROS

Divulgação dos lançamentos de livros de autores da área jurídica.

EMERJ TV

Programação destinada ao público interno do Fórum Central.