Alunos avaliam segundo módulo do curso “Acesso à Justiça – Novos Paradigmas”

clique na imagem para ampliar

Os magistrados que participam do curso de aperfeiçoamento “Acesso à Justiça – Novos Paradigmas”, iniciado no dia 06 de abril pela Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ), falaram acerca de suas impressões sobre o segundo módulo do curso.

A coordenadora, desembargadora Cristina Tereza Gaulia, pontuou que a ideia central do curso é estimular os magistrados à participação ativa e crítica sobre a prática jurisdicional diária. Ela informou sobre as aulas e os professores do segundo módulo: “Nessa linha, as exposições das professoras Dra. Léslie Ferraz, da PUC de São Paulo, e da defensora pública do Ceará Maria Amélia Rocha evocaram as lições de Oscar Vilhena Vieira, doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo, no sentido de que níveis extremos e prolongados de desigualdade acabam por destruir a imparcialidade da lei e causam a ‘invisibilidade dos extremamente pobres, a demonização daqueles que desafiam o sistema e a imunidade dos privilegiados´, situações a serem pensadas e evitadas”.

Nessa segunda etapa do curso, foram debatidos com os juízes casos concretos, reais e atuais, como o caso do assentamento Pinheirinho, em São Paulo, que envolve mais de 100 famílias, o especulador Naji Nahas, e, ainda, as demandas incompreendidas da população cearense. “As professoras apresentaram propostas e opções em favor de um Judiciário mais assertivo no complexo Brasil contemporâneo”, disse a coordenadora.

Os magistrados presentes apontaram as marcas críticas do segundo módulo, expressando as palavras-chaves que lhes ficaram na memória.

Fernanda Rosado apontou “invisibilidade”, expressão repetida também por Fabio Soares, Bruno Rodrigues, Cláudia Bobsin, Aline Costa e Eduardo Ribeiro de Sá.

Igualmente expressões como “sem justiça não há humanidade”, de Flavia Chagas, e a importância da “legitimação dos fracos”, referida por Helena Torres da Silva e André Brito, sublinharam as conclusões dos alunos-magistrados, apontando no brainstorming de fechamento que “Justiça demanda sentir, priorizando-se a realidade do conflito”.

Reaction Papers

As novas regras pedagógicas da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (ENFAM) para todos os cursos de formação de magistrados requerem um fluxo constante e preciso de feedback entre alunos e formadores. Por esse motivo, os magistrados do curso em andamento foram convidados a expressar suas considerações sobre as aulas. Nos chamados “reaction papers”, os alunos escrevem sobre as impressões preliminares do que ouviram e aprenderam.

02 de maio de 2018

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da EMERJ.



MAGISTRADOS

Informações sobre Cursos Oficiais de Formação e Aperfeiçoamento.

VIRTUAL EMERJ

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Cursos Oferecidos na Modalidade a Distância.

PORTAL ACADÊMICO

Espaço destinado aos alunos e professores do Curso de Especialização em Direito Público e Privado.

EVENTOS EMERJ

Fóruns, seminários e ciclo de palestras destinadas ao público em geral.

PUBLICAÇÕES

Coletânea de Artigos Jurídicos de Diferentes Áreas do Direito.

VÍDEO INSTITUCIONAL

 Seja Bem-Vindo à EMERJ.

INFORMATIVO

Divulgação de eventos, cursos e notícias.

EVENTOS GRAVADOS

Gravação de cursos, seminários e ciclo de palestras realizados pela EMERJ.

EVENTOS EXTERNOS

Divulgação de eventos da área jurídica de outras instituições.

LANÇAMENTO DE LIVROS

Divulgação dos lançamentos de livros de autores da área jurídica.

EMERJ TV

Programação destinada ao público interno do Fórum Central.