EMERJ recebe indígenas para debate sobre Etnia, Raça e Gênero

clique nas imagens para ampliar

Os Fóruns Permanentes de Direitos Humanos e de Violência Doméstica, Familiar e de Gênero da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ) promoveram nesta sexta-feira, 01 de dezembro, o encontro “Etnia, Raça e Gênero no Contexto dos Direitos Humanos”.

Na abertura do evento, o presidente do Fórum Permanente de Direitos Humanos, desembargador Caetano Ernesto da Fonseca Costa, falou da importância de debater a questão do índio no Brasil: “Precisamos tomar consciência de que a História do Brasil não começa com a chegada dos europeus”, ressaltou o desembargador.

Durante o evento, foi apresentado um vídeo produzido pelo grupo musical do desembargador Wagner Cinelli de Paula Freitas, que também estava presente, com um clipe sobre a lenda de Acaiaca, que conta a história da dizimação de uma tribo de Minas Gerais.

O líder indígena Arassari Pataxó falou da importância da demarcação das terras indígenas ao expor o painel “Os Povos Indígenas e suas Principais Vulnerabilidades”. Arassari Pataxó pontuou que: “Os indígenas sofrem com a violação dos Direitos Humanos há 517 anos. Cento e cinquenta indígenas morrem por ano no Brasil na luta pela terra. O homem branco se considera dono da terra; nós somos filhos da terra”. Arassari falou sobre os costumes do seu povo, que vive em Paraty, no sul do Estado do Rio. Acompanhado do cacique Hagüi, da vice-cacique Nawã, do índio Pacari e da índia Mairy, de oito anos, ele terminou a palestra com uma dança de agradecimento.

O professor José Ribamar Bessa Freire, coordenador do Programa de Estudos dos Povos Indígenas da UNIRIO, disse que vê com muita simpatia eventos como o da EMERJ: “Os estudantes de Direito e os magistrados precisam receber informações sobre os índios para que não repitam a carga de preconceitos transmitida pela mídia e pela sociedade. A população é mal-informada sobre a contribuição que os índios deram para a nossa forma de ser brasileiros. Só no dicionário do Houaiss existem 45 mil palavras de origem indígena”. Freire concluiu: “A tomada de consciência ajudaria muito a convivência entre o Brasil não indígena e o Brasil indígena”.

A coordenadora executiva da CEPIA (Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação), Leila Linhares Barsted, e a assistente social do Juizado de Violência Doméstica e Familiar, Soyanni Silva Alves, participaram do painel “Gênero e Raça no Contexto dos Direitos Humanos”.

Também participaram do evento o professor Miguel Lanzellotti Baldez; e os debatedores, o professor Leonardo de Souza Chaves, membro do Fórum Permanente de Direitos Humanos, e a juíza Katerine Jatahy Kitsos Nygaard.

01 de dezembro de 2017.

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da EMERJ.



MAGISTRADOS

Informações sobre Cursos Oficiais de Formação e Aperfeiçoamento.

VIRTUAL EMERJ

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Cursos Oferecidos na Modalidade a Distância.

PORTAL ACADÊMICO

Espaço destinado aos alunos e professores do Curso de Especialização em Direito Público e Privado.

EVENTOS EMERJ

Fóruns, seminários e ciclo de palestras destinadas ao público em geral.

PUBLICAÇÕES

Coletânea de Artigos Jurídicos de Diferentes Áreas do Direito.

VÍDEO INSTITUCIONAL

 Seja Bem-Vindo à EMERJ.

INFORMATIVO

Divulgação de eventos, cursos e notícias.

EVENTOS GRAVADOS

Gravação de cursos, seminários e ciclo de palestras realizados pela EMERJ.

EVENTOS EXTERNOS

Divulgação de eventos da área jurídica de outras instituições.

LANÇAMENTO DE LIVROS

Divulgação dos lançamentos de livros de autores da área jurídica.

EMERJ TV

Programação destinada ao público interno do Fórum Central.