Mais de 500 pessoas participam de seminário sobre adolescentes em conflito com a lei

clique nas imagens para ampliar

“Não se trata de um problema dos adolescentes, mas da sociedade. Quem acredita que seja um problema daqueles meninos está enganado. O problema é de todos nós. Não dá para dizer que só nos diz respeito quando somos as vítimas do crime. Todos nós somos parte do problema e não podemos ignorar isso”. A declaração do desembargador André Gustavo Corrêa de Andrade, diretor-geral da EMERJ, chamou a atenção de um auditório lotado de magistrados, membros do Ministério Público, defensores públicos, representantes do Governo do Estado e participantes durante o evento “Adolescentes em Conflito com a Lei: Verdades e Falácias do Sistema Socioeducativo”, nesta segunda-feira, 8 de abril, na EMERJ.

Um diagnóstico da socioeducação com dados inéditos sobre o perfil do adolescente envolvido em atos infracionais, o papel do Estado e as propostas para a melhoria do atendimento no sistema socioeducativo foram questões apresentadas durante o encontro, que reuniu mais de 500 pessoas.

Uma pesquisa inédita da Vara da Infância e da Juventude do Rio, com base nos anos de 2017 e 2018, revelou que foram apreendidos 4.842 adolescentes no período. A maioria tinha família de baixa renda e quatro irmãos, em média. Mais da metade (53,18%) tinha passagem anterior por prática de ato infracional, e sete em cada dez estavam fora da escola. Em um comparativo com outras quatro grandes capitais do Brasil – São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Porto Alegre –, foi constatado que o Rio de Janeiro, com quase sete milhões de habitantes, tem um número de vagas um pouco inferior, mas semelhante a Porto Alegre, onde vivem um milhão e meio de pessoas. “Para cada 100 mil habitantes, enquanto São Paulo tem 32 vagas no sistema socioeducativo, Porto Alegre tem 25, Belo Horizonte 17, e o Rio apenas 5. Isso explica por que o sistema socioeducativo está superlotado no Rio, mais do que o sistema carcerário dos adultos, e por que nós não conseguimos dar um efetivo atendimento socioeducativo”, ressaltou a juíza Vanessa Cavalieri, titular da Vara da Infância e da Juventude da Capital.

Segundo a juíza, o número de apreensões por atos considerados graves, como roubos com arma de fogo, homicídios e latrocínios, comparado com o número de internações, mostrou que se interna pouco no Rio: “Existe um discurso que critica o Poder Judiciário, por internar demais, mas na verdade nós internamos muito pouco. Nem 20% dos adolescentes que cometeram atos graves nos últimos dois anos se encontram internados atualmente”.

A procuradora de Justiça Flávia Ferrer disse que há várias ações propostas pelo Ministério Público para que o Estado tome providências para a melhoria do sistema socioeducativo, mas explica que as ações são julgadas, mas o Estado não cumpre as determinações judiciais. “Infelizmente as determinações judiciais não têm sido obedecidas pelo Estado, esse é o problema. O Ministério Público entra com a ação, que é julgada procedente, mas o Estado simplesmente não cumpre. Quando o Estado não cumpre uma determinação judicial, uma sentença, a próxima saída é uma intervenção. E o Poder Judiciário acaba não pedindo a intervenção por ser uma situação muito extrema. Então o Estado se sente muito confortável para não cumprir. Assim a propositura de uma ação não está sendo eficaz para o que nós precisamos conseguir em termos de sociedade”, destacou a procuradora.

O secretário de Estado de Iniciativas Estratégicas, Roberto Motta, disse que o papel do Estado na questão socioeducativa se divide em três vertentes: “O Estado pode prevenir a atividade infracional através do sistema educacional e do sistema de desenvolvimento social. O Estado pode interromper a atividade infracional através da atuação das forças de segurança pública. E finalmente o Estado pode oferecer a oportunidade de recuperação a quem pode ser recuperado através do sistema socioeducativo”.

“A Secretaria de Educação vem trabalhando junto com o Degase para reduzir esse déficit de vagas. Hoje precisamos criar cerca de mil vagas para reduzir essa superlotação. Nossa expectativa é de até o início do ano que vem começar a construção de seis novas unidades, o que vai gerar cerca de 500 novas vagas, que não resolvem o problema, mas reduzem significativamente o déficit do Rio. Nós acreditamos que em parceria com o Governo Federal, até o final dessa gestão, consigamos criar essas mil vagas’, afirmou o secretário de Educação do Estado, Pedro Fernandes.

Participaram do evento a desembargadora Maria Angélica Guedes Guerra; o desembargador Flávio Horta; o procurador Eduardo da Silva Lima Neto; a secretária de Estado de Direitos Humanos e Assistência Social, Fabiana Bentes; a presidente do Conselho Estadual dos Direitos das Crianças e Adolescentes, Marcia Elizabeth Gatto Brito; e a defensora pública Rosângela Zagaglia, além de estudantes, outros operadores do Direito e representantes da força de segurança e da sociedade civil.


08 de abril de 2019

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da EMERJ



Magistrados EMERJ

MAGISTRADOS

Informações sobre cursos oficiais de formação e aperfeiçoamento.

Virtual EMERJ

VIRTUAL EMERJ

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Cursos oferecidos na modalidade a distância.

Portal Acadêmico EMERJ

PORTAL ACADÊMICO

Destinado aos alunos e professores do Curso de Especialização em Direito Público e Privado.

Eventos EMERJ Gratuitos

EVENTOS EMERJ GRATUITOS

Fóruns, seminários e ciclo de palestras destinadas ao público em geral.

Publicações EMERJ

PUBLICAÇÕES

Artigos jurídicos de diferentes áreas do direito.

Informativo EMERJ

INFORMATIVO

Divulgação de eventos, cursos e notícias.

EMERJ em Pauta

EMERJ EM PAUTA

É o programa em vídeo disponibilizado no seu canal de Youtube, destinado a estudantes, profissionais do Direito e público em geral.

Eventos Gravados EMERJ

EVENTOS GRAVADOS

Seminários e ciclo de palestras realizados pela EMERJ.

Vídeo Institucional EMERJ


VÍDEO INSTITUCIONAL

Lançamento de Livros

LANÇAMENTO DE LIVROS

Divulgação dos lançamentos de livros de autores da área jurídica.

Eventos Externos

EVENTOS EXTERNOS

Divulgação de eventos da área jurídica de outras instituições.